Novo software ‘Gaydar’ prevê com precisão a sexualidade de uma pessoa a partir de uma foto

Um programa de inteligência artificial recém-criado pode determinar se alguém é gay ou hetero a partir de uma foto de seu rosto com uma precisão surpreendente.

Um novo estudo da Universidade de Stanford descobriu que um algoritmo de computador pode determinar corretamente a orientação sexual de uma pessoa a partir de uma foto de seu rosto 91% das vezes, se tiver várias fotos do sujeito.

Se o programa recebesse apenas uma foto, ele ainda poderia adivinhar corretamente a orientação sexual de um sujeito masculino 81% das vezes e de um sujeito feminino 74% das vezes. Esses resultados foram comparados com juízes humanos, que foram capazes de adivinhar corretamente a orientação sexual dos homens 61% das vezes e das mulheres 54% das vezes.

Os pesquisadores principais Michal Kosinski e Yilun Wang desenvolveram um programa que usava uma rede neural profunda e um algoritmo matemático complexo. Eles retiraram 35.000 imagens faciais de um popular site de namoro online dos Estados Unidos e as analisaram juntamente com as informações sobre orientação sexual fornecidas pelo site.

Em seguida, executaram os dados por meio de uma regressão logística com o objetivo de classificar a orientação sexual. Este algoritmo então calcula como as características faciais se correlacionam com as diferentes orientações sexuais.

Esse sistema de classificação usava tanto características faciais fixas, que geralmente são definidas por fatores biológicos como o formato do nariz, quanto características faciais transitórias, que são decididas por escolha pessoal como o penteado, como fatores determinantes da orientação sexual da pessoa.

O programa descobriu que homens e mulheres gays tendiam a ter morfologia facial, expressão e estilos de aparência atípicos de gênero. Isso significa que tanto suas características escolhidas quanto suas características biologicamente determinadas são menos parecidas com membros heterossexuais de seu gênero, e frequentemente mais masculinas nas mulheres e mais femininas nos homens.

Esses resultados parecem apoiar ideias de que fatores biológicos e hormonais contribuem para a sexualidade. O estudo também levanta preocupações de que programas de computador “gaydar” como este possam ser usados ​​para detectar e discriminar pessoas LGBTQ.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *